Como todos os seres humanos brasileiros virtualmente ativos,fui exposta a polêmica “campanha” que sugeria que o Ex-Presidente Luís Inácio Lula da Silva tratasse seu cancer de laringe no Sistema Único de Sáude.Como muitos colegas achei a tal campanha um absurdo , por uma série de razões ,mas a principal é o fato de não achar que a doença de uma pessoa pode ser usada como um artíficio para ridicularizar sua atuação política.Quem quiser fazer isso vai estudar e venha fazer críticas com  fatos,nomes,números e datas.
Sobre essa atitude rídicula de rir da desgraça alheia achei alguns textos que resumem o que eu penso sobre o tema:

Por Maria Elisa Máximo

Por Nina Crintzs
por Gilberto Dimenstein
Nessa bagunça toda achei tudo rídiculo,mas tinha mais:algumas pessoas que eram contrárias a campanha começaram a emitir com muita propriedade a sua opinião nas redes sociais(facebook) terminando com o pedido:” se alguém se sentir ofendido pode me excluir”.
A minha leitura dos fatos é que  existiu um  radicalismo de ambas as partes: Uma primeira que reproduz uma campanha fundamentada em argumentos que não se sustentam (e com variações discursivas cruéis)e de outro lado uma oposição que não quer debater a fragilidade da argumentação dos primeiros ,mas prefere excluir da sua “rede social virtual” (e da vida?) o “divergente” .Fiquei MUITO decepcionada! Nem todo mundo que aderiu a campanha refletiu profundamente sobre as “entrelinhas” desta e talvez com uma discussão bacana(ou inflamada) poderiam ve-la de uma outra perspectiva.Apesar de ser uma prática que custa caro acho que vale a pena sempre tentar dialogar e não ficar encapsulado em bolhas irreais (ideais?) onde todo mundo é igual.
Sentá lá Claudia para a campanha Lula vá pro SUS.
Senta lá Claudia para quem opta por excluir os divergentes.
Força para o Lula e para todas as pessoas que estão passando por um cancer.Cabeça erguida e muita fé!